terça-feira, 28 de junho de 2022

Sema apresenta exposição “O mar não está para plástico” na Biblioteca Central

A Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema) e a ONG Rede Viva Mar Vivo lançaram, na segunda-feira (27), no salão de entrada da Biblioteca Central do Barris, em Salvador, a exposição fotográfica “O Mar Não Está Para Plástico”, resultado da ação de conscientização, realizada em 2019, para a problemática do lixo (resíduos sólidos) nas praias da capital baiana. A mostra aberta ao público faz parte do Junho Ambiental, programação com atividades dedicadas ao meio ambiente organizada pela Secretaria e o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema). De acordo com a diretora de Educação Ambiental para Sustentabilidade da Sema, Mônica de Castro, a exposição está disponível para visitação da população gratuitamente, até o dia 4 de julho. “As fotografias trazem um recorte dos resíduos sólidos mais comum deixado pelos banhistas nas praias de Salvador. É uma temática muito importante para ser debatida na atualidade e que podemos alertar a sociedade da responsabilidade de cada um com o meio ambiente”, explicou. A diretora destacou ainda que a exposição é uma ferramenta de transformação por meio da educação ambiental. “É um convite para que as pessoas e os estudantes frequentem mais os espaços de leitura da cidade e também conheçam a Biblioteca do Meio Ambiente (localizada na biblioteca Central), resultado da parceria entre a Sema, Inema, Secretaria de Cultura (Secult) e a Fundação Pedro Calmon”, finaliza Mônica. O Mar Não Está Para Plástico — A ação foi realizada nas praias de Itapuã, Rio Vermelho e Boa Viagem, onde os voluntários participaram de mutirões de coletas de lixo e conscientização da população sobre seus impactos para o ambiente costeiro e marinho. “As sacolas e fragmentos de plásticos, além dos filtros dos cigarros foram os grandes vilão e prejudiciais para a vida marinha. Mais de 395 espécies marinhas são vítimas do plástico no mar, entre elas tartarugas, focas, pinguins e baleias”, disse William Freitas, da ONG Rede Viva Mar Vivo. Ao total, foram coletados 3.831 resíduos sólidos na praia de Itapuã, entre copos plásticos, palitos de picolés e churrasquinho, “bitucas” de cigarro e vidros. Já na Ribeira, foram retirados 5.817 itens na praia de Boa Viagem, uma média de 1,939 resíduos por metro quadrado. E no Rio Vermelho, a ação retirou do Buracão 1.470 filtros de cigarro, 246 fragmentos de carvão, 176 tampas plásticas e 160 espetos e palitos de madeira, entre outros resíduos, totalizando 3.632 itens, além dos rejeitos orgânicos e lixo sujo. Fonte: Ascom/Sema

Nenhum comentário:

Postar um comentário